Pensamento do dia:

"Quem não te procura, não sente sua falta. Quem não sente sua falta, não te ama. O destino determina quem entra na sua vida, mas você decide quem fica nela. A verdade dói só uma vez. A mentira cada vez que você lembra. Então, valorize quem valoriza você e não trate como prioridade quem te trata como opção."

A EVOLUÇÃO E ATUAL CONDIÇÃO DA MULHER

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011


Mais uma contribuição de Decicote, que apesar de já ser "de casa", insiste em não postar ele mesmo... Um belo e lúcido texto, que deixo para a apreciação de vocês.

Assim eu vejo a vida
A vida tem duas faces:
Positiva e negativa
O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande
sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão
desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo
Aprendi a viver.
Cora Coralina
Apesar das dezenas de artigos que cantam as glórias dos novos tempos em que mulheres conquistam seu lugar ao sol, creio que o termo reconquista seria bem mais condizente com a realidade. Desde o século XIX antropólogos e até um eminente teórico do socialismo moderno, acolheram as idéias de Darwin que defenderam a existência, num tempo remoto da humanidade, o sistema do matriarcado, uma organização social inteiramente dominada por mulheres. A hipótese matriarcal surgiu em 1861, quando o suíço Johann Bachofen sugeriu a existência de sociedades matriarcais na pré-história. Suas idéias influenciaram fortemente antropólogos e arqueólogos no final do século XIX e no começo do século XX. Em várias outras sociedades, como os celtas na Bretanha, a mulher tinha um papel fundamental, ela era muito valorizada e não existia qualquer tipo de preconceito.
A evolução da sociedade no formato atual se deu justamente por questões ligadas à economia; as mulheres dominavam a vida dos agrupamentos humanos no inicio da sociedade. Ela gerava filhos e era a principal provedora, pois era coletora. Enquanto os homens antigos podiam sair para caça e nada trazer durante dias, era a mulher que cuidava da alimentação de toda a tribo. Especula-se que foi dessa forma, trazendo grãos para a caverna, que foi descoberta a agricultura, pois os restos brotavam onde eram deixados. Observando isso passaram a fazer experiências. Também, certo ar de sagrado rondava as mulheres. Tudo na natureza o qual o ser humano reverenciava compunha-se de ciclos. O ciclo diário do nascer do sol, as estações, as estrelas no ceu que pareciam andar e voltar ao inicio após determinado tempo, e o misterioso ciclo da mulher. Também o sangue era sagrado por representar a vida, e ele estava presente nos ciclos mensais das mulheres. Nada mais natural que a mulher ser vista como um ser divino, ou com uma ligação especial com o divino e o espiritual, conforme escreve em “As Máscaras de Deus” o cientista Joseph Campbell. Nesta época o que existia era uma diferente dimensão do divino – que se configura, então, principalmente na concepção da Deusa-Mãe – estreitamente vinculada aos ritos do par dicotômico fecundidade-morte, para o homem algo divino e misterioso. De acordo com os modernos antropólogos, a disputa dos homens pela caça chegou ao estágio de conquistas e guerras. Como o homem passou a deter o poder econômico através das armas e da herança, as mulheres foram então, destronadas e toda uma ideologia machista passou a imperar como uma forma delas não voltarem ao poder.

De certa forma esse pensar perdurou até as grandes guerras, onde pela grande mortandade dos homens, a necessidade deles para bucha de canhã,o levou aos industriários a ideia de fazer as mulheres trabalharem, transformando isso em um esforço patriótico. Foi como uma volta ao passado, enquanto os homens brincavam de guerra, as mulheres voltaram a carregar o fardo do sustento. Ao fim das guerras, os homens voltavam para casa e encontravam uma mulher diferente. Muitos não gostavam. Mas os mais espertos perceberam como era bom ter um salário extra em casa e ainda as mulheres continuavam a cuidar da casa quando voltavam da jornada na fabrica, onde ganhavam menos e pegavam os trabalhos piores.

As mulheres começaram a ter consciência de seu valor e as grandes lutas femininas começaram, culminando no que a sociedade é hoje; ainda excessivamente machista, mas com bem mais chances das mulheres chegarem onde querem. Alias muita das grandes personalidades em todas as áreas do conhecimento humano são mulheres e dia virá em que elas não terão de se humilhar por salários menores para os mesmos cargos que os homens. Mas não é só no mundo do conhecimento e dos negócios que as mulheres tem mostrado sua força. Grandes partes das conquistas se devem as mulheres que foram para a política, como Hillary Clinton. Ela se destacou como senadora e ganhou vida política própria, sem depender do marido. Ainda nos Estados Unidos, temos Condoleezza Rice, que também se destacou. Na Alemanha Ângela Merkel foi a primeira a chefiar o governo do país. Na Libéria, Helen Sirleaf foi a primeira mulher eleita Presidente na África; formada em Administração na universidade de Harvard, foi diretora do Banco Mundial é chamada de “Dama de Ferro”. Tivemos também Margareth Thacher na Inglaterra e Ellen Gracie no Brasil e a Senadora Kátia Abreu..

Atualmente, o perfil das mulheres é muito diferente do apresentado no começo do século. Além de trabalhar e ocupar cargos de responsabilidade assim como os homens, ela ainda realiza as tarefas tradicionais como a de ser mãe, esposa e dona de casa. Trabalhar fora de casa é uma conquista relativamente recente para as mulheres. Ganhar seu próprio dinheiro, ser independente e ainda ter sua competência reconhecida é motivo de orgulho para todas. Porém, observa-se que elas já provaram que além de ótimas donas de casa, podem ser também boas motoristas, mecânicas, engenheiras, advogadas. Já está mais do que provado que as mulheres são perfeitamente capazes de cuidar de si, de conquistar aquilo que desejam e de provocar mudanças profundas no decorrer da história da humanidade. É a retomada de sua vida e história, a reconquista!!!

8 comentários:

  1. Velvet Poison disse...:

    Deci, Sonia, não morro de inveja de ver esses belos textos publicados porque nós somos blogs co-irmãos, rsrs. Sinto-me orgulhosa por ter contato com cabeças tão privilegiadas.

  1. Observei no texto que o autor busca entender a mulher atual, e o faz através do conhecimento de sua história. Esta nova mulher que as vezes assusta, segundo o texto, não é inédita, ao contrario, é a expressão do resgate de posições anteriores. Bacana, além da pesquisa, é a proposição de compreender o processo orientado pela valorização e admiração do papel feminino, esta sim uma postura diferenciada. Tal atitude mostra tb o carater do homem capaz de ter uma visão não convencional, evidencia seu valor. Parabéns.

  1. Ajuricaba disse...:

    Mas não trocam pneu. rs rs Belíssimo texto. Link nas Dicas de Tupã, com certeza.

  1. (coçando a cabeça e não é por piolhos. Pensando.) Está bem, as coisas ocorreram mais ou menos assim. Contudo, olhando à distância, o preço está muito alto e não pagou a pena. Altos índices de doenças que antes acometiam mais os homens, afastamento da família com reflexo maior sobre os filhos, etc. Nisto tudo contemos com a facilidade que esta "independência" deu às mulheres muito pouco ou nenhuma paciência para suportar a vida conjugal por muito tempo. Facilitou muito a troca de marido, hoje conhecido como acessório. Pausa. E, vejam como donas de tamanha independência ainda (ei, não digo sobre exceções ) há uma grande preocupação das mulheres vir a se casarem com homens de posses, preferencialmente, ricos. E, recordo agora, de outra coisa recente e curiosa que é a Lei Maria da Penha um contrasenso em todo esse blá blá blá de igualdade, até constitucional. Boa hora para levantar essa poeira, principalmente considerando o autor, um Homem.

  1. Marcos Pontes disse...:

    Meu amigo Decicote, um maestro de letras e idéias em forma de letras, traiu-se pela idade: "o perfil das mulheres é muito diferente do apresentado no começo do século.". Imagino que se refira ao início do século que acabou há dez anos, hehe.
    Leitura das melhores em estilo, dados e conhecimento.

  1. Bom todo mundo conta as pingas que eu tomo, mas ninguém vê os tombos que levo. Como mulher que sou acho bem legal o que escreveu, mas é digno de se falar a nossa notória capacidade de pensar e falar muito mais que o homem. Talvez por este motivo tenhamos tanta capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Queremos descanso e aí, nesse curto intervalo, a onça vem beber água. O homem é muito mais objetivo em seu pensar e nós, de tanto olharmos os detalhes ,às vezes nos perdemos no caminho.
    Somos ainda meio animais. À mulher cabe a proteção da prole e à caça, nem que seja de idéias. E talvez esta coisa do homem se achar o caçador deva se restringir só ao controle remoto, desde que a mulher não esteja em casa.
    Como é bom percorrer suas palavras e escanear seus pensamentos querido! Um grande Axé pra ti!
    http://coisasdecasados.blogspot.com/

  1. Bom ver um homem escrevendo isso... Contudo caro amigo Deci (posso chamar assim?) as coisas não vão bem para nós... A única coisa que a mulher conquistou nos últimos anos foi a proeza de trabalhar 2x mais que os homens. E aqui eu corro o risco de ser apedrejada por feministas... Creio que a entrada (avassaladora) da mulher no mercado de trabalho desestruturou a família.
    A educação dos filhos era tarefa da mulher... Hoje fica a cargo das babás e das escolas (e na pior das hipóteses da televisão).
    Não acho que a mulher tenha que voltar para o tanque/fogão. Mas acho que fomos com muita cede ao pote. Ainda não nos organizamos (sociedade) para toda esta evolução.
    Por hora ainda acho que estamos mais sofrendo do que gozando...

    Muito bom o texto! Escreves muito bem...

    Beijos

  1. daniela disse...:

    Um baita orgulho de ter um amigo com essa sensibilidade,coisa rara hj em dia nos homens!

Postar um comentário